“O ministro Nuno Crato anunciou hoje que o ensino de mandarim deverá ser introduzido nas escolas ao nível do secundário e do terceiro ciclo, como alternativa de língua estrangeira, segundo os acordos assinados em Pequim, no decurso da visita de Estado do Presidente da República à China.

O ministro não quis adiantar uma data, limitando-se a afirmar que é possível que isso aconteça no prazo de três a cinco anos. “Teremos que ver que recursos serão postos à nossa disposição, qual é o interesse chinês em os colocar nas escolas que o desejem, que professores poderão vir com o apoio da China, enfim, estudar o assunto passo a passo”, afirmou.

Até agora, o ensino do mandarim só é feito ao nível universitário, nas universidades do Minho e de Lisboa. Segundo Crato, há indicações de que há interesse por parte dos estudantes dos níveis inferiores em aprender.

Nuno Crato destacou ainda como uma “grande notícia” nesta visita o “enorme destaque dado à ciência, tecnologia, educação e ensino e relações culturais entre os dois países”, assinalando que também “não é vulgar em visitas deste tipo terem sido assinados seis acordos entre universidades portuguesas e suas congéneres chinesas, bem como acordos na área da ciência entre os dois ministros na presença dos presidentes”.”

Via Expresso.